Seja bem-vindo ao Melissa Benoist Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Melissa Benoist, mais conhecida por interpretar a Supergirl na serie homônima. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
ACESSE:

Quando se trata de irmandade na TV, Kara e Alex Danvers – interpretadas por Melissa Benoist e Chyler Leigh – estão em um ponto mais alto que as outras. Seja lutando lado a lado ou bebendo vinho no sofá aconchegante de Kara, essas duas mulheres são o coração do sucesso da CW. Agora, o drama de ação está dando início a uma parceria que explora ainda mais as raízes de seu vínculo.

Em “Prom Night” em 27 de abril e “Prom Again!” em 4 de maio (o segundo foi dirigido por Leigh), a heróica Nia Nal/Dreamer (Nicole Maines) e Brainiac-5 (Jesse Rath) viajam no tempo para o baile de formatura por volta de 2009. O plano? Para ver se as irmãs adolescentes Danvers (Izabela Vidovic como a jovem Kara; Olivia Nikkanen como a jovem Alex) têm a chave para localizar a Kara atual – também conhecida como a salvadora Supergirl de National City – dentro da Zona Fantasma. Ela está presa nessa dimensão paralela desde o primeiro episódio da sexta e última temporada, um enredo que fortuitamente acomodou a licença-maternidade de BenoistLeigh chama os episódios sobre o passado de “uma história de origem das irmãs Danvers”.

Aqui, as favoritas dos fãs por trás da alienígena adotada de Krypton e sua irmã guerreira provam que a família é apenas relativa.

 

Em que ponto durante as filmagens da série vocês começaram a se sentir irmãs?

Chyler Leigh: Foi bem instantâneo. E foi uma surpresa, eu acho, para nós duas olharmos uma para a outra e dizer: “Espere um minuto. Eu sou feita para você! ”

Melissa Benoist: Nossa primeira cena no sofá [Temporada 1, Episódio 3, “Luta ou Voo”]. Eu joguei um travesseiro em Chyler e pensei que ela fosse pegá-lo. Aquilo a acertou no rosto e não conseguíamos parar de rir.

Leigh: As [cenas do sofá] são momentos especiais. Isso traz uma suspensão de toda a ação … e há tanto de Mel e Chyler lá, acho que torna ainda mais especial. Eu diria que a grande maioria das cenas que fizemos, é tudo improvisação no final.

 

Alex oficialmente assumiu seu próprio super apelido, Sentinel, após uma longa jornada como uma agente de campo lésbica que se tornou diretora da agência secreta Departamento de Operações Extranormais (DEO) e, mais tarde, vigilante. Melissa, como foi saber que Chyler se juntaria aos heróis do Arrowverse para compensar enquanto você estava de licença maternidade?

Benoist: Para mim, Alex sempre foi uma super-heroína, então significou que ela ganhou seu traje e sua manopla da Mão de Soldado [ que se transforma em qualquer arma que ela deseja ]. Tipo, já era hora. E com David Harewood [Martian Manhunter] – nós três somos os OGs desde o início – é tão sólido que qualquer um de nós pode sair e o show está em boas mãos.

Leigh: Khakis e uma camisa Under Armour [uniforme DEO de Alex] só vão te ajudar a sobreviver por um tempo, sabe?

 

Chyler, você foi mãe primeiro, e Melissa, você dirigiu a série primeiro. Vocês trocaram dicas em algum deles?

Benoist: Eu comecei a ver que mãe maravilhosa Chyler é … ela é uma mamãe urso para nós na série. Aprendi observando ela.

Leigh: Vendo os olhos de Mel brilharem, não tenho dúvidas de que ela será uma mãe fenomenal. Do ponto de vista de direção, tive uma experiência muito diferente [de Benoist]. Eu não estou no episódio [“Baile de novo!”]. Mas acho que podemos dizer que fizemos um ótimo trabalho.

 

A midseason finale vai ao ar em 11 de maio, e estará em uma pausa até o verão. O que está reservado para as irmãs Danvers nos 13 episódios restantes?

Benoist: Oh, boa pergunta! [ Risos ]

Leigh: Bem, eventualmente a Supergirl tem que sair da Zona Fantasma, então talvez outra cena do sofá Danvers esteja pela frente!

 

Já existe uma tatuagem das irmãs Danvers?

Leigh: [ risos ] Não, mas já conversamos sobre isso!

 

Você tem notícias de fãs ou irmãs que se vêem refletidas no relacionamento de Kara e Alex?

Leigh: Oh, sim. [Os fãs estão animados para ver] que você não precisa ter irmãs rivais. Essas garotas se protegem e lutam até a morte uma pela outra, o que acontece quase todas as temporadas.

 

Houve discussões sobre Kara voando para o pôr do sol enquanto o show termina?

Benoist: Fiquei muito feliz com o final que foi planejado. Claro, eu não vou revelar nada, mas estou muito feliz com a força e o empoderamento que vem com a forma como estamos terminando a série para Kara.

 

Supergirl, terças-feiras, The CW.

 

Fonte: TV Line

Tradução e Adaptação: Melissa Benoist Brasil

 

 

ACESSE:

Kara Danvers não está em Kansas Nacional City mais.

Na estreia da sexta temporada de Supergirl, Kara (Melissa Benoist) sacrificou sua vida duas vezes. Primeiro, ela atraiu o super-poderoso Lex Luthor (Jon Cryer) para a Fortaleza e permitiu que ele a matasse para que os Super Amigos tivessem tempo de desfazer seu esquema de lavagem cerebral. Felizmente, Lena usou o traje anti-Kryptonita e a tecnologia da Fortaleza para reviver Kara, e o resto da equipe apareceu para o segundo round contra o egomaníaco. Infelizmente, isso também não saiu como planejado. Claro, Alex conseguiu deter Lex, mas não antes de pegar o projetor da Zona Fantasma e enviar Kara para a desolada prisão kryptoniana sem seus poderes ou meios de escapar. Caramba!

Abaixo, EW conversa com Benoist sobre a situação infeliz de Kara.

 

ENTERTAINMENT WEEKLY: A 5ª temporada deveria terminar com Kara sendo enviada para a Zona Fantasma, ou foi uma nova reviravolta?

Houve tantas dúvidas de como a 5ª temporada iria terminar e a 6ª temporada iria começar por causa da minha gravidez e minha licença maternidade, e por causa da pandemia. Eu sei que eles mudaram algumas coisas. Então, não me lembro, para ser honesta. [Risos] Parece que foi há muito tempo. De qualquer forma eu seria mandada para a Zona Fantasma, mas acho que não ficaria esse tempo todo, pela quantidade de episódios que estou lá.

Na estreia, Kara mencionou como era traumatizante estar presa na Zona Fantasma quando era mais jovem. Como ela está indo para lá agora?

Certo. Nós exploramos as vulnerabilidades dela antes na série, mas nunca com a profundidade que estamos nesta temporada. Acho que vai ser muito diferente para as pessoas verem. É um lado muito diferente de Kara que veremos na Zona Fantasma, e não é fácil. As coisas que ela está enfrentando e o trauma que ela suporta na Zona Fantasma não são algo de que ela se recuperará facilmente.

Kara está bem isolada. Como foi passar por esse enredo que a manteve separada do resto dos personagens com os quais você está acostumada a interagir, especialmente na temporada final?  

Foi difícil para mim porque estou tão acostumada a poder ver todos, e estamos muito acostumados a trabalhar juntos lado a lado todos os dias como um grupo e o elenco é muito unido. É a isso que estou acostumada na série, então também foi muito isolante para mim em termos de interpretar as cenas. E eu não estou sozinha. Existem alguns outros personagens na Zona Fantasma comigo, mas eram pessoas novas e muito fui eu sozinha. Então, sim, parte do que foi roteirizado definitivamente afetou como eu me senti atuando.

Falando em novos personagens, sabemos que Jason Behr foi escalado como um misterioso kryptoniano que ajuda Kara. O que você pode dizer sobre a dinâmica dela com esse estranho?

Direi que na Zona Fantasma, há personagens que realmente a ajudam e são grandes aliados, e há alguns que não são, obviamente, porque é um lugar muito perigoso cheio de criminosos e kryptonianos enviados para lá. Foi ótimo trabalhar com Jason, e eu acho que as pessoas vão adorar seu personagem e ficarão muito surpresas [com] quem ele está interpretando.

Nós só vimos o final da última vontade e o testamento de Kara que ela gravou. Descobrimos o que ela disse mais tarde? Se não o fizermos, você tem uma ideia do que ela pode ter dito em sua mente?

Há trechos que o público verá, mas acho que em minha mente e em meu coração, eu sei o que ela disse e posso preencher as lacunas para as coisas que não filmamos porque só temos pedaços e peças aqui que outros personagens podem ver de sua gravação. Sim, eu sei o que ela disse e sei o que teria sido importante para ela deixar como seu legado.

Supergirl vai ao ar às terças-feiras às 21h na CW.

 

Fonte: EW

Tradução e Adaptação: Melissa Benoist Brasil

ACESSE:

Enquanto Melissa Benoist se prepara para pendurar sua capa de Supergirl, a estrela do drama de super-heróis da CW reconheceu que a decisão de se afastar da personagem que a transformou em um ícone para milhões de garotas foi difícil.

“Foi uma decisão enorme, mas acho que enquanto falávamos sobre fomos capazes de dar um passo atrás e olhar para o todo. Todos que estão envolvidos no programa podem dizer com certeza o quanto estamos orgulhosos, o quão longe chegamos e o que conseguimos realizar em seis anos. E seis anos é um grande espetáculo”, disse a atriz ao ET. “Por mais difícil que seja dizer adeus, não poderia estar mais feliz com o que criamos.”

Supergirl começa sua temporada final de 20 episódios na terça-feira com um episódio de estréia que começa exatamente de onde a última temporada parou, com Braniac (Jesse Rath) em apuros depois de tentar, sem sucesso, parar Lex (Jon Cryer). À medida que as coisas ficam exponencialmente piores, Kara percebe que a única maneira de impedir Lex é se sacrificar. É um choque dramático para a série, mas Benoist está mais do que satisfeita em seu capítulo final como Supergirl“Eles me mostraram como a série terminará e como a jornada de Kara terminará no final da série, e eu não poderia estar mais feliz com isso”, diz ela.

Benoist discute a última temporada de Supergirl, reflete sobre seis anos como super-heroína e dá conselhos para Sasha Calle, que interpretará a versão da DCEU da personagem no próximo filme, The Flash.

ET: Você tinha seus próprios desejos e esperanças pessoais de como a história de Kara terminaria?

Eu me sinto muito sortuda por ter feito tanto com essa personagem nos últimos seis anos. Então, eu realmente não tive muitas advertências criativas ou desejos, porque sinto que muitos deles foram realizados. Mas havia uma ressalva que eu tinha de que eu estava tipo, “Vocês, por favor, não façam isso. “Apenas não faça isso e eu ficarei feliz. E eles não estão fazendo isso. Então, estou feliz. Eles me mostraram como a série terminará e como a jornada de Kara terminará no final da série, e eu não poderia estar mais feliz com isso. Acho que os fãs ficarão muito felizes com isso. Faz justiça à personagem, pelo menos a minha iteração dela em nosso programa. Então, estou muito feliz com a forma como está terminando.

Supergirl passou por alguns momentos pessoais realmente importantes para você. Qual é a sensação de estar dizendo adeus à personagem neste momento de sua vida e de sua carreira? 

Oh meu Deus, eu me sinto como uma criança naquela época. Essencialmente, eu estava. Eu tinha 25, 26 anos – e não apenas as coisas em minha carreira mudaram, mas pessoalmente minha vida mudou. Muita coisa acontece em seis anos e ficar com a mesma personagem o tempo todo é uma experiência realmente única. Às vezes eu quase sinto que fui realmente desafiada e pressionada a me tornar a pessoa que sou agora por causa das circunstâncias do programa e das gravações e como pode ser difícil às vezes. A pressão existe. Mas também a alegria é ter esse orgulho e vê-la tocar as meninas e ser o modelo que ela é como personagem e carregar isso comigo. Eu sinto que ainda estou no meio disso, e falo comigo daqui cinco anos – provavelmente serei capaz de refletir um pouco melhor sobre isso. Mas dito isso, ‘É uma loucura olhar para trás, para os últimos seis anos, e ver o quanto mudou. Acho que o resto do elenco concordaria comigo. Não quero falar por ninguém, mas parece uma grande sensação de realização, porque não é fácil fazer TV para começar, especialmente um programa de super-heróis.

Seu relacionamento com sua personagem mudou por causa de seu próprio crescimento pessoal como pessoa nestes seis anos?

É claro. Essencialmente, sinto que meio que cresci com ela. Estou na casa dos 30 anos, sou mãe e sinto que entendo minha força, não fisicamente, mas minha força como mulher muito melhor do que há seis anos. Tenho uma confiança que sinto que nunca poderia ter encontrado se não tivesse interpretado essa personagem apenas por saber o que mereço como pessoa e nos relacionamentos e isso me ensinou muito – não apenas ser a líder, mas a personagem em geral. O que ela representa e sempre lutando pelo que é certo, e liderando com seu coração e compaixão, encontrando sua família e resguardando sua preciosa vida. Todas essas coisas continuam a ressoar em minha vida pessoal e sempre farão.

Você já tentou fazer com que cada momento dentro e fora do set durasse? 

Oh, completamente. É tão fácil se envolver no meio do dia às vezes, mas direi que toda vez que terminamos um episódio, às vezes nesta temporada, muitos dos diretores que estão voltando nesta temporada estão conosco desde o início ou do início da 2ª temporada. Alguns desses diretores encerrarão um episódio e haverá tipo, “Oh meu Deus, é isso. Essa é a minha última vez.” Esses momentos são diferentes. Em geral, todos nós estamos realmente tentando estar presentes e curtir a companhia uns dos outros e realmente gostamos de criar juntos esta última temporada. A pandemia havia colocado todos naquele espaço de qualquer maneira para estarem presentes. Estou apenas grata e feliz por estar trabalhando em geral, mas porque é a última temporada, claro. Estamos todos tentando nos divertir rindo.

A série também tem sido um dos programas com maior abordagem política no Arrowverse e frequentemente faz referência a eventos atuais e o que está acontecendo hoje. Parece certo com o que acompanhamos durante o último mandato?

Sim. Na verdade, nunca pensei nisso, nunca pensei nisso dessa forma. Que esse governo passado acabou e agora vamos sair também, mas é meio que adequado. Sempre achei que nosso programa era o mais forte quando nos inclinávamos para isso. Minha temporada favorita que fizemos até agora foi a 4ª temporada, em que realmente colocamos pesado nos comentários. Nesta temporada não será diferente. Isso será inspirado por questões do mundo real – tanto o movimento Black Lives Matter e como algumas pessoas se sentiram impotentes por causa das circunstâncias em que todos nós estamos vivendo com a pandemia. Essas são questões que vamos enfrentar. Os produtores sempre fizeram um trabalho muito bom em tentar refletir isso e tentar abordar o que capacita as pessoas e o que os heróis em nosso programa podem fazer para dar o exemplo e usar sua plataforma.

Fale um pouco sobre a temporada final aqui. O primeiro episódio não perde nada, uma vez que continua exatamente de onde as coisas pararam na última temporada. Como você prepararia a temporada final?

Era para ser o nosso final de temporada no ano passado. Tínhamos algum trabalho a fazer, mas acho que os fãs definitivamente podem esperar ver problemas do mundo real e nossos heróis lidando com coisas que se relacionam com o que todos nós lidamos e temos experimentado e enfrentado no ano passado. Acho que a jornada de Kara especificamente, há muita discussão sobre o poder e o abuso dele, e os limites dele neste ano. Kara está sempre lutando contra isso como uma alienígena e uma kryptoniana com o tipo de poderes que ela tem na Terra, mas tanto nossos vilões quanto nossos heróis estarão tomando decisões porque seu poder é quase ilimitado. Então, onde eles traçam o limite, eu acho, é a pergunta que faremos este ano.

Sasha Calle foi recentemente escalada como a Supergirl do universo cinematográfico da DC. Alguma palavra de sabedoria para ela enquanto se prepara para vestir a capa? E qual você acha que é o seu legado de sua época como Kara e Supergirl?

Não tenho palavras de sabedoria porque é uma coisa muito pessoal. Tudo o que posso dizer é que mal posso esperar para ver a versão dela da personagem, e ela e eu temos conversado via DM no Instagram. Eu a procurei quando ela recebeu a notícia e descobriu que tinha conseguido o papel, o que me fez chorar, porque eu senti isso e esse papel, ela parecia perfeita para isso. Acho que permanecer fiel a si mesmo e desempenhar esse papel é a melhor coisa que você pode fazer. Não tenho dúvidas de que ela vai fazer isso. Eu sinto que isso é o que mais me orgulho, é que eu nunca comprometi o que eu realmente sentia ao interpretar esse papel e o que era importante para ela e para o que dizíamos para as garotas lá fora. O que representamos sempre esteve na minha mente em cada linha que disse e em cada passo que dei. Cada visão de calor que eu fazia, cada respiração congelada que eu soprava, sempre voltava para isso. Isso é para meninas. Eu fiz isso como a primeira série de super-heróis desde Mulher Maravilha, mas Sasha o fará como a primeira Supergirl negra.

O que você mais sentirá falta? 

Ver meus amigos do elenco e da equipe técnica. Claro que vou sentir falta do elenco. E quer saber, vou sentir falta dos trajes. Vou sentir falta de voar. Aqueles dias de tela verde. É como a magia do filme. Apenas parecia sempre legal. Eu definitivamente sentirei falta disso. 

Supergirl estreia terça-feira, 30 de março às 21h ET / PT na CW.

Fonte: ET Online

Tradução e Adaptação: Melissa Benoist Brasil

ACESSE:

Melissa Benoist está muito satisfeita com o caminho de Supergirl em sua sexta e última temporada.

A despedida do drama da CW começa na terça-feira com uma estreia que coloca Kara (Benoist) e os Super Friends contra Leviathan e o narcisista profissional Lex Luthor (Jon Cryer), que fez lavagem cerebral em metade do mundo para amá-lo. Derrotar o supervilão ego-maníaco irá, no entanto, ter um grande custo para Kara e preparar o terreno para que ela enfrente sua mortalidade e os limites potenciais de seu poder.

Antes da estreia, a EW conversou com Benoist para discutir o que está por vir enquanto a série voa em direção ao seu final.

 

ENTERTAINMENT WEEKLY: Como você se sente sobre o final do programa? Você acha que este é o momento certo para dizer adeus a Kara?

Sim, acho que todos nós meio que chegamos a essa conclusão. Estamos muito orgulhosos de tudo o que conseguimos realizar nos últimos cinco, quase seis anos. Tem sido uma grande jornada: mudando a emissora, mudando as cidades em que filmamos e mudando as noites em que exibimos. Nós passamos por muito nessa série, e acho que criativamente todos nós fomos capazes de dar um passo atrás e dizer que estamos muito orgulhosos de tudo que fizemos e parecia o momento certo.

Você tem uma ideia de para onde está indo a história de Kara? Como você se sente sobre o final que está reservado?

Eles me falaram porque queriam saber se eu tinha alguma opinião sobre onde eu queria ver Kara no final da série. Eu tinha um pedido, e nem era algo que eles estavam pensando em fazer. E eles me lançaram no final, e é realmente adorável. É um ótimo final. Eu me sinto fantástica com isso.

Quando falamos para a matéria da capa, você me disse que abordou cada temporada da perspectiva da evolução de Kara. Como Kara está crescendo nesta temporada?

Quanto mais Kara amadurece, mais ela luta com seu poder e o que significa carregar os poderes que ela tem na Terra e sua identidade como alienígena ou humana, ou onde ela pertence. Essas são coisas que estamos realmente explorando este ano com ela. E o que te torna forte? O que faz você se sentir fortalecida? Essas são coisas que estamos olhando nesta temporada para todos os personagens. Mas com Kara especificamente, esta temporada vai ser mais uma auto-exploração, olhar no espelho e [contemplar] o que seu poder significa porque é quase ilimitado e a torna tão forte na Terra. Onde ela traça a linha? Como ela reconcilia isso com sua humanidade?

Onde estão as coisas com Kara e Lena nesta temporada?

Acho que tudo o que elas passaram na última temporada realmente solidificou seu vínculo e sua amizade, e o fato de serem capazes de curar mostra o quão profunda é essa amizade. Lex está de volta nesta temporada, então o perigo sempre presente de seu irmão psicótico é o suficiente para elas deixarem a água correr sob a ponte. Essa relação, eu acho, é uma das mais importantes da série. Katie [McGrath] e eu sempre abordamos isso realmente querendo explorar as amizades femininas e como as mulheres se relacionam e se apoiam. Isso definitivamente fará parte da temporada final.

Você sentiu uma sensação de alívio agora que você superou o quão angustiadas aquelas duas estavam na última temporada?

Sim, completamente! Eu amo trabalhar com Katie McGrath e qualquer desculpa para fazer qualquer cena com ela está bom para mim, mas sim, eu acho que nós duas estamos um pouco aliviadas por não haver mais tensão.

O relacionamento de Kara e Alex [Chyler Leigh] é outro aspecto fundamental da série. O que está reservado para o relacionamento delas na temporada final?

Acho que a irmandade é o alicerce da série. Não faltam momentos de Kara e Alex este ano, é claro. Eu acho que Alex tem sua própria jornada de entrar em seu próprio eu, percebendo todo o seu potencial e como é viver sua melhor vida. Há uma dupla em que podemos ver as jovens Kara e Alex novamente. Acho que esses tipos de episódios são alguns dos nossos mais fortes quando voltamos para Midvale. Você sabe, apenas dar uma olhada e ver o que torna a ligação delas tão forte, eu acho, é muito divertido para os fãs verem, muito identificável também.

Chyler fez sua estreia na direção nesta temporada. Como foi tê-la como diretora?

Eu não pude estar lá! Eu estava de licença maternidade, por isso tinha ido embora, mas ouvi de todos que ela arrasou e foi fantástico. Eu ouvi dela o quanto ela amou e que ela realmente encontrou uma paixão em dirigir. Ela está trabalhando há muito tempo e é uma profissional. Esta não é de forma alguma sua primeira série, então ela sabe como um set funciona e como tratar os atores e a equipe, então não tenho dúvidas de que ela foi incrível.

Dada a sua licença maternidade, quanto de você veremos na primeira metade da temporada?

Eu voltei da licença-maternidade em janeiro e tinha um pouco de atualização para fazer. Então, não estou ausente da primeira parte da temporada, mas estou em um lugar diferente. A Supergirl está bastante isolada.

Qual foi a parte mais desafiadora da última temporada?

A parte mais desafiadora, para ser honesta, tem sido mais logística. É o fato de que ainda estamos na pandemia. Claro, todos são muito gratos por ter empregos e estamos gratos por estarmos juntos para podermos nos ver, mas existe aquela barreira com as máscaras e quantos protocolos temos para a segurança de todos. Esse tem sido o maior desafio porque todo mundo só quer se abraçar, e estamos chegando perto do fim e é uma espécie de chatice não podermos simplesmente dar abraços e beijos e tem isso adicionado peso da pandemia ainda está acontecendo.

Supergirl retorna terça-feira na The CW.

 

Fonte: Entertainment Weekly

Tradução e Adaptação: Melissa Benoist Brasil

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Hosted by Free Fansite Hosting @ 2020 - Melissa Benoist Brasil