Seja bem-vindo ao Melissa Benoist Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Melissa Benoist, mais conhecida por interpretar a Supergirl na serie homônima. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
20.03.24

Melissa Benoist percorreu um longo caminho desde o papel de monstro debaixo da ponte até uma garota no ônibus.

Seu currículo profissional abrange “Cinderela” no Littleton Town Hall Arts Center, “Glee”, “Waco” e “Supergirl” da TV e agora interpreta a repórter política mais destemida e idealista da América na série do Max “The Girls on the Bus”.

Mas para Paul Dwyer, cofundador de um impressionante canal de talentos jovens, antes conhecido como Academia de Artes Teatrais, o maior papel que a amiga do Colorado desempenhou até agora continua sendo o pequeno monstro adolescente que mora sob a ponte mencionada em “João e Maria”.

“Eu sabia que ele diria isso”, disse Benoist rindo.

Mas, ouça-o. “Desde o início, Melissa desempenhou o papel principal em tudo”, disse Dwyer. “Mas queríamos que ela aprendesse a interpretar papéis de outros personagem também – então fizemos dela o monstro. Nós demos uma corcunda para ela. Ela tinha próteses. E ela era dinamite.”

Espere, Benoist interrompe. Próteses? “Aquele homem me colocou com uma máscara de ‘Star Wars’!” ela disse.

Quase 20 anos depois, Benoist realizou o sonho de sua vida de se apresentar na Broadway ao estrelar “Beautiful: The Carole King Musical”. E ela usou parte do pouco espaço precioso permitido em sua primeira biografia da Broadway para citar seus primeiros professores de teatro, Dwyer e o cofundador da Academia, Alann Worley. Ela agradeceu “por me fazerem apaixonar pelo palco em primeiro lugar”.

Isso mostra o vínculo que Benoist ainda sente pela comunidade teatral de Denver, desde suas primeiras aparições no palco até sua formatura na Arapahoe High School até hoje.

“Há um sentimento de comunidade na cena teatral do Colorado que nunca vi existir em nenhum outro lugar dos Estados Unidos”, disse ela. “Eu digo às pessoas o tempo todo que a comunidade teatral do Colorado é um grupo de pessoas que realmente se importam e são apaixonadas. E estou muito grata por ter feito parte disso. Eu carrego comigo sempre.”

Imagine assistir à produção de 2000 de “The Sound of Music” no falecido Country Dinner Playhouse em Englewood. Benoist, então com 11 anos, interpretou a pequena Brigitta, irmã mais nova de Liesl de Annaleigh Ashford e Kurt de Jesse JP Johnson. Ashford ganhou o prêmio Tony por “You Can’t Take it with You” e estrelou “Sweeney Todd”, ao lado de Josh Groban. Johnson atuou em três musicais da Broadway, inclusive como Boq em “Wicked”.

“Lembro que Melissa era uma pequena Brigitta incrível”, disse Ashford. “De todas as crianças, Brigitta tem a personalidade mais forte, e Melissa estava lá, mesmo aos 11 anos. Ela fez escolhas muito boas e ousadas. Ela tem uma voz ótima, seguiu bem as orientações e ouviu.”

Benoist estava no último ano do ensino médio e atuava como a adolescente de Perón em “Evita” quando o Country Dinner Playhouse fechou abruptamente em 2007. “Quando criança, eu simplesmente nunca quis estar em outro lugar”, disse ela. “Foi aí que eu realmente descobri quem eu era.”

Todos a bordo do ‘Ônibus’

The Girls on the Bus” é ao mesmo tempo um olhar divertido e esclarecedor por trás da cortina da reportagem política. Ou, como lhe chamamos, “jornalismo de matilha” – onde todos os repórteres ferozes viajam juntos e são expostos aos mesmos velhos discursos estúpidos e têm de lutar seriamente para encontrar algo original ou significativo.

É baseado no livro “Chasing Hillary”, da ex-repórter do New York Times, Amy Chozick, que narrou a eleição presidencial de 2016. Isso foi em si uma homenagem ao seminal “The Boys on the Bus”, de Timothy Crouse, que detalha a vida na estrada para os repórteres (homens, é claro) que cobrem as eleições de 1972.

A série de TV apresenta uma campanha fictícia atual que não faz menção aos atuais candidatos presidenciais da vida real (graças a Deus), ao mesmo tempo que oferece muitos easter-eggs inteligentes que fazem referência a políticos da vida real como Stacey Abrams e Alexandria Ocasio-Cortez. A série é ao mesmo tempo um comentário cômico e presciente sobre o estado da política e do jornalismo americano de maneira engraçada e cortante – com um pouco de sexo incluído.

No centro da série está Sadie McCarthy, comicamente imperfeita de Benoist, uma jornalista que está reconstruindo sua carreira e credibilidade jornalística depois de ter cometido o pecado capital de passar a acreditar plenamente em seu candidato designado. Quando sua ídola parecida com Hillary perdeu, o colapso emocional de Sadie foi totalmente (e divertidamente) exposto para a diversão viral de trolls sociais sedentos de sangue em todo o mundo.

Agora, ela está dando uma chance à objetividade – enquanto às vezes brinca com o fantasma do temor e odioso da campanha original – seu herói pessoal, Hunter S. Thompson (um homem, diz à ela, “que seria uma crise de RH” hoje).

O conjunto inclui três outras repórteres (mulheres) ambiciosas, todas com ideologias jornalísticas totalmente diferentes que se combinam para formar um subconjunto perfeito do nosso discurso político hoje: uma é um peão orientado pela agenda da poderosa mídia cristã, a outra é uma relíquia de princípios da a mídia estabelecida moribunda (o que significa que ela é totalmente ignorada), e uma delas é um fenômeno TikTok da Geração Z, sem experiência em jornalismo, mas de longe com maiores seguidores – e, portanto, a mais influente.

Mas o “ônibus” faz uma rápida curva à direita, derrubando o que inicialmente se apresentava como quatro mulheres competitivas, certamente decididas a destruir umas às outras de maneiras decepcionantemente clichês na TV. Afinal, os jornalistas são muito competitivos e – alguns – podem ser inescrupulosos. Mas essas quatro mulheres parecem estar unidas.

“É exatamente isso que buscamos e acho que é uma das mensagens mais importantes do programa”, disse Benoist, que também atua como produtora.

“É sobre mulheres apoiando mulheres. Mas trata-se também de encontrar uma forma de se relacionar e encontrar empatia por qualquer pessoa que tenha pontos de vista totalmente diferentes dos seus e uma relação totalmente diferente com o espectro político. Estamos tentando mostrar que você não pode simplesmente pintar alguém com um pincel vermelho ou azul. As coisas estão tão polarizadas agora, mas você não pode simplesmente colocar as pessoas em caixas. Embora tenhamos estilos de vida diferentes, não somos tão diferentes assim. Todos nós queremos as mesmas coisas. Podemos encontrar um terreno comum.”

Mais importante ainda, ela diz: “Estas quatro mulheres não esperam encontrar uma família uma na outra – mas encontram. E isso é tão poderoso.”

Uma campanha longa e tortuosa

A jornada de Benoist para uma coexistência pacífica com o estrelato teve um preço mais alto do que a maioria. Agora, com um casamento feliz com o ator Chris Wood, um filho chamado Huxley e uma nova série de TV de alto nível, parece que ela finalmente chegou. O que faz com que conseguir um papel como Sadie neste exato momento de sua vida e carreira seja “muito especial”, disse ela.

“Parece um passo em uma direção realmente emocionante em direção ao que sinto que sou capaz de fazer, e em direção aos tipos de papéis que quero atuar e que histórias quero contar. ‘The Girls on the Bus’ é muito significativo para mim porque é um assunto com o qual me preocupo profundamente e uma história que quero fazer parte e levar ao público. Então, sim, isso significa tudo.”

Dwyer, por exemplo, não está surpreso.

“Nada acontece quando se trata de Melissa”, disse ele. “Sua carreira continua cada vez mais alta. Ela não tinha teto de vidro quando criança – como ser humano ou como artista.”

Francamente, depois de uma semana de campanha de mídia “The Girls on the Bus” que colocou Benoist no The Kelly Clarkson Show ao lado do herói de Denver, Peyton Manning, e na capa da seção de artes do New York Times, eu não conseguia acreditar que ela estava conversando com pessoas como eu poucas horas depois que os dois primeiros episódios de “The Girls on the Bus” chegarem às TVs de todo o mundo. Eu disse à ela que ela deveria dormir até tarde.

“Bem, isso não é algo fácil de fazer com uma criança de 3 anos”, disse ela.

O que leva à única pergunta que hesitei em fazer a ela, e não é uma pergunta que acho que tenha feito em qualquer outra entrevista com celebridade. Mas eu conheço essa desde que ela tinha um dígito. Fui convidado para o recital do último ano do ensino médio no The Avenue Theatre. Lembro-me de conversar com ela em 2012, depois que ela começou a filmar “Glee”, mas antes de qualquer um de seus episódios ir ao ar. Perguntei-lhe então como era saber que, em apenas alguns dias, a vida como ela conhecia estava prestes a acabar para sempre. Ela admitiu que era um pouco assustador porque ser famosa nunca foi algo que ela quisesse ou precisasse.

Ninguém poderia imaginar o quão assustador seria. Em 2019, ela se abriu ao mundo sobre a violência doméstica que sofreu por parte do primeiro marido.

Então agora quero fazer a ela a única pergunta que realmente me interessa. A única pessoa que conheceu ou se importou com Melissa quando criança correndo pelos palcos de Denver realmente quer saber agora:

Você está feliz?

Essa, ela disse, era uma grande questão.

“A maternidade mudou tudo”, disse ela. “Isso só enriqueceu minha vida. Isso solidificou minhas prioridades de uma forma realmente fortalecedora. Acho que passei a maior parte dos meus 20 anos apenas fazendo o que todos me diziam para fazer, porque queria ter sucesso. Mas minha definição de sucesso é muito diferente agora – e é muito difícil não colocar tanta pressão sobre mim mesma. Porque a coisa mais importante que tenho a fazer na vida é ajudar a moldar este jovem que tenho.”

Esse jovem é o pequeno Huxley. “Ele é um maníaco”, disse ela, “assim como eu era quando era criança”. Mas um maníaco maravilhoso.

“Vejo muito de mim e de meu marido nele. Acho que se ele tivesse crescido em Denver, ele definitivamente estaria na Academia de Artes Teatrais com Paul e Alann. Ele tem essa mesma energia. Não sei o que ele fará da vida, mas ele é musical e showman e nós o amamos.”

Ao olhar para trás, ela segue em frente.

“Olha, sinto que passei por muita coisa nos últimos 15 anos. E embora eu desejasse não ter passado por algumas dessas coisas, esse tempo realmente me moldou. Eu conheço meus limites. Eu sei o que é certo para mim e sei o que não é. Sei quando dizer que não está certo – e estou muito feliz por ter essa habilidade agora.”

Mais de Melissa Benoist:

John Moore: Como você começa a se preparar para um papel como Sadie McCarthy?

Melissa Benoist: Eu li tudo e qualquer coisa que nossa criadora, Amy Chozick, me disse para ler. Li o livro dela, é claro, que foi inestimável e deu muitas informações sobre seu relacionamento com Hillary Clinton. Ela me deu uma lista completa de livros e eu devorei todos eles. Li “What It Takes: The Way to the White House”, de Richard Ben Cramer, que tem mil páginas. É como ‘A Ilíada’ do jornalismo político, e eu engoli tudo. É sobre a eleição de 1988, quando Joe Biden plagiou e Gary Hart teve um caso e Bob Dole ficou bravo e George H.W. Bush (verificou o relógio) durante o debate. Tanta coisa aconteceu naquele ciclo presidencial. É tão bom. Também li um livro de David Foster Wallace chamado “Up, Simba!” Assisti a muitos documentários, incluindo “Journeys with George” de Alexandra Pelosi, o que foi fascinante porque você vê alguém do outro lado do corredor sendo encantado por George W. Bush. E é claro que li “The Boys on the Bus” e “Fear and Loathing on the Campaign Trail ’72”, que são um pouco desatualizados, mas ainda assim, você sente a vibração de uma época que tendemos a romantizar. Eu apenas tentei absorver tudo isso.

John Moore: Quando você olha para 1992, quando Dan Quayle foi essencialmente eliminado como herdeiro presidencial porque escreveu incorretamente a palavra “batata”, e então você olha para todas as coisas que não eliminam um candidato hoje… o que isso significa? diz sobre nós?

Melissa Benoist: Entendo que isso significa que o jornalismo e a mídia são certamente um pilar da nossa sociedade que não podemos perder. Porque eles exercem influência e às vezes podem fazer ou destruir uma eleição para alguém. Mas é complicado. Essas são todas as questões que estamos examinando no programa.

John Moore: Posso estar chegando a isso de um ponto de vista diferente, porque vejo todo aquele poder que o jornalismo já teve e coloquei isso no passado por causa da maneira como as pessoas se afastaram de informações confiáveis e se transformaram em negadores raivosos da verdade . Sim, a mídia noticiou a gafe ortográfica de Quayle, mas não foi a mídia quem encerrou sua carreira. Essa foi a consequência da sua acção ter sido denunciada, distribuída e absorvida por pessoas do Partido Republicano que chegaram à conclusão de que talvez ele não devesse ser o seu presidente. Mas se avançarmos 30 anos, agora estamos num mundo onde um candidato pode estar sob acusação federal. Quem disse que ele pode andar na rua e atirar nas pessoas e ainda assim ganhar uma eleição. Quem pode dizer o que disse sobre agarrar mulheres e não há consequências. Não é função da mídia influenciar ninguém, mas quando a reportagem básica não traz consequências reais como aconteceu com Quayle, começo a me perguntar que influência a mídia de princípios ainda tem sobre isso.

Melissa Benoist: Eles certamente não têm influência no sentido tradicional que costumavam ter, pelo menos não na forma de um jornal impresso ou de uma rede de notícias a cabo. Mas conversamos muito durante a produção deste programa sobre as mudanças nas redes sociais e seu envolvimento em tudo isso, porque isso é algo que os candidatos também estão usando. Trump ignora a imprensa diariamente e usa as suas redes sociais para levar a sua mensagem diretamente à sua base, e isso é sem precedentes. Mas, por outro lado, temos pessoas que relatam notícias no TikTok e no Instagram que são, em essência, ativistas. É quase “jornalismo do ativismo” e penso que isso é poderoso – especialmente para a geração mais jovem.

John Moore: Bem, seu episódio piloto certamente me fez falar várias vezes com a TV, principalmente quando a jornalista mais velha e tradicional diz à jovem influenciadora do TikTok que “estar no lugar certo na hora certa não é jornalismo”. E eu disse: ‘Ah, mas acho absolutamente que é.’ E então a TikToker diz com orgulho que não considera o que faz como jornalismo. O que levanta a questão de como definimos “a mídia”. Defino a mídia como “qualquer pessoa com distribuição”. Qualquer pessoa que possa postar uma opinião ou informação e fazer com que ela seja vista pelos seguidores – essa é a própria definição de mídia. E isso inclui qualquer pessoa com uma conta no Facebook ou Twitter. Então, quando as pessoas criticam “a mídia”, eu respondo: “Bem, a mídia é todo mundo. Então, se você não gosta da mídia – olhe-se no espelho, porque você é parte do problema.” E isso inclui a sua ativista TikTok, porque ela faz parte da mídia.

Melissa Benoist: Sim, ela é. E isso é o que há de adorável em nosso programa, porque temos lados opostos, e cada mulher que acompanhamos no programa tem uma opinião muito diferente sobre o que é “a mídia”. Minha personagem, Sadie, romantiza essa época passada que não existe mais. E nós temos Grace, a profissional experiente que está nisso desde sempre e talvez não esteja muito a par de como as coisas estão mudando. Kimberlyn está reportando para uma estação de TV com uma agenda política clara. E então você tem Lola, que é a TikToker da nova era. Mas todos eles estão tentando encontrar uma maneira de se encontrar no meio e encontrar a maneira mais eficaz de levar a verdade à sociedade. E enquanto os jornalistas – ou civis que estão informados e se preocupam com o bem-estar do nosso país – não perderem isso de vista, manterei a esperança.

John Moore: Então, com uma nota completamente diferente: existe algum mundo em que você retorne aos palcos nos próximos anos?

Melissa Benoist: Sim, realmente espero que sim.

John Moore: Isso é um desejo ou há um caminho realista em andamento?

Melissa Benoist: Por enquanto, isso é um desejo. Houve oportunidades no passado que simplesmente não funcionaram (minha agenda), mas ainda tenho o sonho de originar um papel em um novo musical, e isso é algo que ainda não consegui. Isso seria como voltar para casa. Sempre é como voltar para casa quando estou no palco, então nunca vou perder isso.

John Moore: Pergunta estúpida: isso teria que ser na Broadway ou poderia estar em um novo musical no Colorado?

Melissa Benoist: Nunca se sabe. Por que não? Quero dizer, sim, que diabos?

João Moore; Então, para finalizar: você já consegue colocar os últimos 15 anos da sua vida em alguma perspectiva?

Melissa Benoist: É meio absurdo pensar nisso. Ainda me belisco quando vejo o que Annaleigh (Ashford) está fazendo e Amy Adams e todas essas pessoas que vieram de nossa comunidade estão fazendo. Isso ainda me surpreende. Temos muita sorte de fazer o que fazemos todos os dias. Sempre que entro em um set, não consigo acreditar que estou onde estou e que realmente consegui fazer isso para ganhar a vida.

John Moore: Então, onde quer que seja… você chegou. Quando você olha para trás, para todas as compensações ao longo do caminho e quanto custa, como você se sente em relação à jornada?

Melissa Benoist: Falo sobre isso com meu marido o tempo todo. Acho que são os picos e os vales que fazem de você um artista melhor. E eu, por exemplo, nunca quero perder aqueles momentos em que as compensações são difíceis, ou você pode ter que sacrificar alguma coisa, ou não consegue o que queria. Esses são os momentos em que sinto que você está mais viva e em sintonia com sua humanidade. Esses são os momentos que os artistas precisam para poder falar com outras pessoas e se expressar.

Fonte: Denver Gazette

Tradução e adaptação: Melissa Benoist Brasil

continue lendo
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Hosted by Host4Fans @ 2020 - Melissa Benoist Brasil