Seja bem-vindo ao Melissa Benoist Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Melissa Benoist, mais conhecida por interpretar a Supergirl na serie homônima. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
29.04.24

ALERTA DE SPOILER: Esta postagem contém spoilers de “Life Is a Highway”, o oitavo episódio da 1ª temporada de “The Girls on the Bus”, agora disponível no Max.

Quando Rina Mimoun produziu pela primeira vez um episódio de televisão sobre o aborto, ela não tinha ideia de que faria a mesma coisa mais de duas décadas depois. A showrunner de “The Girls on the Bus”, que trabalhou com Greg Berlanti no “episódio muito especial” de “Everwood” sobre os direitos das mulheres em 2001, fez exatamente isso com o oitavo episódio da série do Max, que estreou na quinta-feira.

O episódio começou exatamente de onde parou: Sadie (Melissa Benoist) ordenou que pílulas abortivas fossem entregues em seu hotel na Califórnia durante a campanha; quando eles não chegaram a tempo, ela ficou presa, pois o próximo estado da viagem foi Missouri – onde o aborto é ilegal. Depois de contar às outras mulheres sobre seu dilema no início do episódio de quinta-feira, ela também contou que o médico poderia enviar os comprimidos para uma caixa postal em Illinois, a quatro horas de distância. Kimberlyn (Christina Elmore), a repórter conservadora do grupo, era a única com carteira de motorista válida e se ofereceu para levá-la, para surpresa do grupo.

“Posso não concordar com a escolha, mas isso não significa que não possa apoiar minha amiga”, disse ela.

Numa entrevista exclusiva, Mimoun e Benoist falam sobre o enredo central, como foi diferente de contar a história de 2001 e a importância de normalizar a situação.

Rina, em que parte do seu processo esse enredo se tornou parte do arco de Sadie?

Rina Mimoun: Acho que sempre que você tiver um programa com quatro mulheres, vai surgir o assunto da sua saúde, dos seus direitos reprodutivos. É quase impossível que isso não aconteça, francamente. [Criadora] Amy [Chozick] foi muito gentil com isso porque não estava necessariamente em seu radar. Há tantas coisas que estamos equilibrando neste programa, mas eu levantei a mão cedo e disse, eu realmente acho que, dado o estado do mundo agora, se alguém engravidasse enquanto estava naquele ônibus e não quer tê-lo, como isso funcionaria? O que aconteceria? Muito do que aprendi com Amy é que eles não têm autonomia sobre suas vidas. Sair do caminho é uma luta muito grande. Se é uma luta apenas chegar a um CVS para fazer um teste de gravidez, quão difícil seria agora, considerando o quão difícil é fazer um aborto, se você quiser? Quão impossível seria isso enquanto você está viajando pelo país? Conversamos sobre isso com cada um dos personagens. Qual personagem faz mais sentido? Finalmente pousamos em Sadie, mas nem sei se Sadie foi nossa primeira escolha.

Melissa Benoist: Achei que fazia muito sentido para Sadie. Como Rina estava dizendo, a situação e as circunstâncias em que essas mulheres se encontram se prestam muito bem à narrativa que torna esse modo específico que estamos fazendo tão poderoso e realista e, em um mundo pós-Dobbs, muito mais importante e assustador. Mas fiquei tão impressionada com o quão real isso parecia. Podemos ver Sadie lidar em tempo real com nossa situação atual, estado por estado, enquanto elas viajam.

Obviamente, ter Kimberlyn como motorista era uma parte importante da história. Será que esse sempre seria o ponto com Kimberlyn dizendo: Não concordo com sua escolha, mas vou ajudar minha amiga?

RM: Há muito tempo que tenho um ponto de vista sobre este assunto específico. Lemos este artigo que foi entre mãe e filha; a filha era pró-escolha e a mãe não. O artigo era um discurso comovente e civilizado entre essas duas mulheres que não iriam deixar que esse assunto específico as dividisse. Fiquei realmente impressionada com isso, porque admito plenamente que muitas vezes deixei que isso me dividisse. E quando li isso, pensei, bem, isso é realmente incrível e muito lindo. Kimberlyn é conservadora. Ela absolutamente não faria a escolha de fazer um aborto, o que penso estar embutido no termo “pró-escolha”. A escolha foi de Sadie e ela vê o valor de ser sua amiga. Achamos que essa era a maneira de mostrar que a política e o partidarismo não precisam nos separar e mesmo uma questão tão divisiva e pessoal como essa, se vocês se amam e se valorizam, vocês podem superar praticamente qualquer coisa junto. É disso que o show realmente trata.

Sadie passou por muita coisa. Melissa, como você aproveitou emocionalmente essa história?

MB: Gostei muito da conversa entre Rina e eu enquanto estávamos filmando esse episódio sobre a agonia. A agonia de Sadie não é “eu tenho que fazer isso”. É o “Como devo fazer isso?” Então essa foi a minha maneira de entrar emocionalmente. Sadie não ficou emocionalmente perturbada pelo fato de ter feito essa escolha e saber que era certo para ela e seu corpo. Ela estava muito certa e tinha muita clareza a esse respeito. Mas era o fato de que as circunstâncias estavam tão fora de seu controle e a raiva era mais o que ela sentia que não conseguia encontrar facilmente cuidados para si mesma. Foi uma espécie de meta no set. Tivemos Kyra Sedgwick dirigindo isso, que também é uma grande ativista pelos direitos das mulheres. Todos nós estávamos com raiva porque acho que em tempo real, enquanto filmávamos esse episódio, as leis estavam mudando e as coisas estavam dando errado. Então foi fácil encontrar esse caminho porque todos nós estávamos vivendo isso em tempo real.

Rina, você produziu “Everwood” quando eles contaram uma história sobre aborto. Nele, o médico de Treat Williams declarou: “Qualquer escolha que você fizer é certa, desde que seja sua”. Como foi a experiência diferente agora – não apenas 21 anos depois, mas também produzindo para The WB versus Max?

RM: Foi uma conversa incrivelmente diferente. Lembro-me claramente dessa história porque foi outra em que tivemos que mudar a decisão. Inicialmente, o Dr. Brown (Williams) seria quem realizaria o aborto. E a rede disse: “Absolutamente não. Não vamos deixar você fazer isso.” Então, viramos o caminho e pensamos: não seria interessante se a pessoa que fundamentalmente, de sua própria formação religiosa conservadora, o Dr. Abbott (Tom Amandes), não acredita no aborto, mas sente que ele tem que fazer isso para que os cuidados de saúde das mulheres honrem seu pai. Então pensamos, ah, esta é uma história ainda melhor, nós resolvemos. Foi quando percebemos que eles não queriam que resolvêssemos. Eles disseram: “Você pode escrever, mas não sabemos se vamos filmar”. E Greg Berlanti, graças a Deus, disse: “Vamos escrevê-lo”. E foi brilhante. Então eles disseram: “Bem, você pode filmar, mas não sabemos se vamos ao ar”. Greg apenas dizia: “Tudo bem, faça o que quiser. Estamos fazendo o episódio.” E eu realmente acho que houve uma ou duas afiliadas que não transmitiram o episódio.

Portanto, devo adivinhar que esse processo foi muito diferente disso.

RM: Bem, foi incrivelmente poderoso e muito significativo. Acho que porque era uma emissora, porque “Everwood” era um tipo de programa muito específico, parecia – odeio usar o termo – mas um episódio muito especial. Nós meio que tratamos isso com luvas de pelica. Nós tivemos que fazer. Tivemos que abordá-lo a partir da agonia da própria tomada de decisão. O show teve uma tendência um pouco mais séria. Gosto de dizer esperançosa, porque sinto que “sério” de alguma forma tem uma má reputação. O que estávamos tão ansiosos para fazer aqui – e tivemos muita sorte de ter Max como nosso parceiro e eles não tiveram nenhum problema com isso – e a alegria era poder escrever isso como uma história normal. Isto é o que acontece. Não foi muito especial. Havia um milhão de outras coisas acontecendo na vida de Sadie e como ela dizia, a raiva, a fúria e os sentimentos eram sobre o desamparo que ela sentia, mas não era sobre a decisão. Para mim, além de apenas falar sobre aborto, é normalizar o corpo das mulheres. Está desmistificando os corpos das mulheres. Até a forma como toda essa história começa é com Lola chegando dizendo: “Preciso de um absorvente interno”. Lembro-me de ter a idade de Lola, você costumava contrabandear seus absorventes como se fossem heroína, e Deus não permita que alguém visse você carregando um absorvente por aí. Você se sente tão envergonhada. Eu amo tudo nesse programa dizendo que tudo o que fazemos com nossos corpos é normal. São nossos corpos. É a nossa saúde, e não precisa ser essa coisa indescritível, catastrófica e motivada pela vergonha. Foi uma verdadeira mudança. E no momento em que estávamos escrevendo, Roe já havia partido. Então, sabíamos que você não poderia simplesmente ir até uma clínica. O mundo inteiro mudou desde “Everwood”.

Outra grande diferença aqui era tomar pílulas abortivas, e não deixar Sadie ir a uma clínica. Essa foi uma discussão que você teve?

RM: Sou um pouco mais velha, então quando meus amigos estavam tragicamente nessa situação, o aborto medicamentoso não era algo que existia. Isso é um pouco mais recente. Todos os escritores presentes disseram: “Isso é o que ela faria naturalmente. Ela não precisaria ir lá.” Portanto, parece que essa é a onda do futuro para que mais mulheres tenham acesso a essas pílulas, que agora também estão sendo retiradas.

MB: Acho ótimo termos conseguido mostrar a pílula como uma opção, de forma narrativa. Porque acho que, historicamente, vimos essas histórias contadas e são essas experiências traumáticas e horríveis, na maioria das vezes em um ambiente clínico. Então achei realmente revigorante o quão pedestre é o procedimento e o que ela passa. Então isso foi algo que me deixou muito orgulhosa por termos conseguido fazer.

RM: Eu me lembro quando “Six Feet Under” fez isso há muito tempo. Então eles seguiram outro caminho e decidiram fazer com que o bebê anjo os assombrasse! (Risos) Isso foi mais tarde, mas a tomada inicial foi ótima, porque Lauren Ambrose acabou de entrar em uma clínica. E naquela época isso foi chocante. Conversamos sobre normalizá-lo como parte de nossos cuidados de saúde e o que precisa ser.

Como você acha que os espectadores se sentirão em relação ao enredo ou reagirão à série até agora?

RM: A internet é um lugar tão maluco e as pessoas expressam algumas coisas realmente malucas e algumas das coisas que foram ditas sobre o programa… Fico mais chateada quando as pessoas chamam essas mulheres de bobas. Não há nada de bobo nelas. Você pode não gostar do show, você pode desejar que tivéssemos feito “Todos os Homens do Presidente” e esse é um excelente filme que não pretendíamos fazer. Mas acho que há um sexismo arraigado em muitas maneiras como as pessoas reagem, então tenho certeza de que as pessoas terão sentimentos. Tenho certeza que eles ficarão bravos com a escolha. Eu li uma coisa que alguém escreveu sobre como Sadie vai estar realmente lutando com a escolha porque Moafers a ama e então por que eles não começariam uma família?

MB: Uau!

RM: Eu pensei, eles não estão nem remotamente juntos!

Quero dizer, pensando nisso, você discutiu a decisão de Sadie de contar a Malcolm (Brandon Scott) sobre o aborto?

RM: Essa foi uma grande discussão na sala, porque a sala estava realmente dividida ao meio em termos de ela lhe devia a verdade? E então se torna mais sobre tirar essa situação particular disso. Quem são esses personagens um para o outro fora desta situação? Estávamos genuinamente divididos. Percebi que muitos dos jovens na sala disseram: “Ela não deveria contar a ele. Não é da conta dele. É enviar a mensagem errada para contar a ele.” Eu ouvi esse argumento, mas também senti que a jornada de Sadie nesta história está chegando à conclusão do quanto ela se importa com essa pessoa, do quanto ela confia e realmente o ama. Eu fico tipo, se ele teve um caso de uma noite, se isso foi um acidente, eu entendo. Eu disse, mas é alguém com quem ela realmente se importa. Para mim, não achei que Sadie faria isso. Acho que o crescimento dela é tentar se conectar com pessoas com quem ela realmente se importa.

MB: Eu concordo com você. Acho que serve ainda mais como uma espécie de normalização. É parte de seu arco de se tornar uma pessoa mais madura e honesta que se responsabiliza. Acho que, ao dizer a ele, o público consegue vê-lo como um pilar de apoio sem questionar o que ela sabe que é certo para si mesma quando eles não são casados – o status de relacionamento deles está no ar, na melhor das hipóteses – e a situação deles é tão tal uma exceção ao que podemos dizer como normal, é outra oportunidade que aproveitamos para normalizar a aparência de um relacionamento. [Isso mostra] que o momento certo é tudo para uma mulher e o fato de que temos a capacidade de fazer escolhas. Os relacionamentos podem sobreviver a esta situação. Então pensei que isso nos serviu ainda mais nesse aspecto. Estamos apenas tentando normalizar. E também, a reação dele definirá o relacionamento deles e o fortalecerá ou desintegrará. Acho que ele mostra sua verdadeira face na maneira como reage.

Esta entrevista foi editada e condensada.

Fonte: Variety

Tradução e adaptação: Melissa Benoist Brasil

continue lendo
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Hosted by Host4Fans @ 2020 - Melissa Benoist Brasil