Seja bem-vindo ao Melissa Benoist Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Melissa Benoist, mais conhecida por interpretar a Supergirl na serie homônima. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
28.04.24

[Aviso: o texto abaixo contém GRANDES spoilers da 1ª temporada de The Girls on the Bus, episódio 8, “Life is a Highway”.]

The Girls on the Bus abordou uma série de assuntos atuais ao longo de sua temporada, mas nenhum mais frustrante do que a busca da jornalista Sadie (Melissa Benoist) para garantir pílulas abortivas no episódio “Life is a Highway”.

Depois de descobrir que havia engravidado após um encontro espontâneo com um caso de idas e vindas, de Malcolm, também conhecido como Mocassins (Brandon Scott), o relógio de Sadie para um aborto começou a contar quando ela optou por tomar comprimidos. O problema com isso? Ela viaja constantemente por diferentes estados onde as leis são diferentes.

Devido a esse obstáculo metafórico, Sadie foi forçada a cruzar as fronteiras do estado com a ajuda da repórter conservadora Kimberlyn (Christina Elmore) enquanto ela ia pegar os comprimidos enviados pelo correio em um caixa postal. O único problema? Ela não chegou a tempo ao correio, sendo forçada a esperar até o dia seguinte. A provação acaba sendo resolvida, mas lembra aos telespectadores as dificuldades que algumas mulheres enfrentam para receber cuidados médicos básicos.

“Sabíamos que tínhamos essa plataforma e… enquanto estávamos filmando, as leis estavam mudando, e estou muito orgulhosa disso porque acho que é uma prova de nossa showrunner, Rina Mimoun”, disse Benoist ao TV Insider sobre o enredo. “Ela foi muito corajosa em contar histórias. Também tivemos Kyra Sedgwick dirigindo esse episódio, que é uma grande defensora dos direitos das mulheres e fala muito sobre isso”, comenta a artista.

“Então parecia que o quebra-cabeça estava lá para realmente contar uma versão autêntica e verdadeira daquela história de uma mulher que sabia exatamente o que queria, não tinha vergonha de sua decisão, que não era o ato de fazer um aborto que era agonizante. Foi o fato de que foi muito difícil para ela conseguir o tratamento de que precisava.”

Como Benoist salienta acima, Mimoun é uma defensora apaixonada da partilha de histórias lideradas por mulheres e da promoção dos direitos das mulheres. Quando se trata de aborto, Mimoun diz: “É uma causa que tem sido importante para mim desde que me lembro, minha mãe incutiu isso em mim e eu estava na paternidade planejada desde os 16 anos”.

Parte do esforço de Mimoun para contar essa história em particular vem de antigamente, trabalhando em Everwood com Greg Berlanti. “Estávamos fazendo uma história sobre aborto. E lembro-me de vê-lo travar tantas batalhas para contar aquela história a ponto de termos que mudar quase todos os seus elementos. E eles ameaçaram interromper a produção e ele disse, ‘pare a produção’. Foi algo incrível de se ver. E então, a partir daquele momento, percebi que é realmente importante normalizar o aborto e esses serviços médicos que são exigidos por mulheres em todo o mundo.”

Para Amy Chozick, que escreveu o livro Chasing Hillary, no qual a série é inspirada, ela elogia Mimoun, dizendo: “Rina olha para a narrativa através das lentes dos direitos das mulheres em todos os aspectos da produção que ela possui. Então, eu estava muito orgulhosa de fazer parte disso. Acho que foi isso que realmente me atraiu para a televisão.”

Quanto a trabalhar com as mudanças nas leis, a equipe revela que foram feitas algumas edições de última hora nos roteiros para acomodar os desenvolvimentos mais recentes. “Nós literalmente pegamos um mapa dos EUA”, lembra Chozick, que atua como produtora executiva. “Foi um golpe de gênio de Rina quando tivemos a ideia de que era Kimberlyn quem dirigia. Não é só que Sadie está enlouquecendo [porque] ela não consegue tomar os comprimidos. É que Kimberlyn a impulsiona, conectando a mensagem política ao pessoal e à amizade de uma forma realmente linda.”

No final do episódio, Sadie está de volta ao hotel de sua base com Kimberlyn, Grace (Carla Gugino) e Lola (Natasha Behnam) que a apoiam enquanto ela passa pela experiência do aborto, provando que não importa o quão frustrante ou difícil a burocracia poderia ser, que as mulheres podem persistir contra probabilidades desiguais.

Fonte: TV Insider

Tradução e adaptação: Melissa Benoist Brasil

continue lendo
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Hosted by Host4Fans @ 2020 - Melissa Benoist Brasil