Seja bem-vindo ao Melissa Benoist Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Melissa Benoist, mais conhecida por interpretar a Supergirl na serie homônima. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
29.03.24

‘The Girls on the Bus’ conta a história de quatro jornalistas políticas – e sua moda fala por si.

Chozick é alguém que sempre soube se interessar por moda (lembro-me de questioná-la sobre seus apartamentos em uma entrevista coletiva; ela chegou cedo no trem da Tory Burch). Mas só agora percebi quantas compras ela fez durante a trilha. Uma vantagem do trabalho, ela me lembrou em um bate-papo recente, é que os repórteres não gastam muito do seu próprio dinheiro. Cada refeição é paga, cada hotel é coberto. “Se Obama tivesse um dia de folga em Chicago, eu iria para Neiman Marcus”, disse Chozick. Ela comprou um par de sapatilhas Ferragamo, um cardigã Marc Jacobs brilhante e uma jaqueta Isabel Marant vermelha e preta enorme. “Isso foi um alarde”, disse ela, puxando uma foto do casaco em seu telefone. Vale a pena, ela acrescentou rapidamente, porque tinha muitos requisitos: quente o suficiente para a fria estação primária, grande o suficiente para vestir sobre qualquer coisa e em um padrão xadrez de búfalo que tinha apelo universal. “Está escrito Iowa, está escrito Nova York”, disse Chozick sobre a jaqueta que ela ainda usa hoje. “Você precisa de um guarda-roupa que possa abranger os estados vermelho e azul.”

Chozick queria essa sensibilidade em seu novo programa, The Girls on the Bus. O drama, inspirado em seu livro best-seller, Chasing Hillary, segue quatro repórteres fictícios de diferentes cantos da mídia em uma campanha imaginária. Quando Chozick entrevistou figurinistas para o projeto, as propostas refletiam o cenário político atual – propenso a extremos.

Um grupo sentiu que as mulheres no centro da história estariam casadas com seus empregos e as roupas seriam uma reflexão tardia. “Isso machucou minha alma”, disse Chozick, que tinha maiores esperanças de estilo para seu projeto de estreia. Outros imaginaram algo fantasticamente moderno no estilo de Sex and the City ou Emily in Paris; uma proposta incluía uma coleção de “chapéus selvagens” para cada uma das mulheres, segundo Chozick. “Eu adoraria ter um armário da Carrie Bradshaw em nosso programa”, disse ela. “Mas ela está levando isso para os estados indecisos?”

The Girls on the Bus, transmitido agora no Max da HBO, atinge o indescritível meio-termo moderado – pelo menos em termos de moda. As figurinistas Claire e Lily Parkinson concordaram com a visão de Chozick de roupas que fossem ao mesmo tempo aspiracionais e autênticas. “Definitivamente conversamos muito sobre as malas e quanto elas poderiam trazer”, disse Claire em um Zoom recente. A dupla de irmãs também se debruçou sobre o roteiro para determinar quando na história uma personagem poderia parar em casa e poder trocar de roupa. E eles resistiram à estratégia usual de figurino de mais é mais, em vez disso montando guarda-roupas cápsula para cada mulher remodelar e vestir novamente. “É muito raro repetir um par de sapatos em alguns programas”, disse Claire Parkinson.

O show se concentra em Sadie McCarthy, uma estrela em ascensão ambiciosa e desconexa do New York Sentinel (inspirado no New York Times) interpretada por Melissa Benoist. Seu estilo romantiza uma era passada de Hunter S. Thompson, inspirado em nomes como Jane Birkin, Annie Hall de Diane Keaton e Alexa Chung. Coletes e jeans serviram de base para o look de Sadie, com chapéu fedora e óculos de sol aviador por cima.

Um casaco vintage Isabel Marant – uma homenagem à jaqueta de Chozick – usado ao longo da temporada acabou “parecendo uma âncora”, Benoist me disse em uma ligação recente. O mesmo aconteceu com um terno Kallmeyer de três peças e uma bolsa Coach dos anos 2000, fornecida pelo RealReal. Recheado com carregadores, um bloco de notas, um laptop e uma variedade de embalagens de doces, “aquela bolsa pesava 25 libras!” Benoist disse, rindo. “E se parecesse menos do que isso, não estava certo. Precisava ser algo que eu tivesse que carregar.” Malhas, sarjas e tweeds ofereciam textura e facilidade de uso e embalagem. “Honestamente, você pode colocar veludo cotelê na sua mala e vai ficar tudo bem”, disse Lily Parkinson. As camisetas vintage também se mostraram versáteis, usadas por Sadie para dormir uma noite e sob um blazer na manhã seguinte.

Grace Gordon Greene, interpretada por Carla Gugino, é uma veterana experiente e geradora de furos em um jornal concorrente – e ela não ousaria dormir de camiseta. Em sua mala, cuidadosamente embalada junto com calças de alfaiataria, gola alta e lenços de seda, havia um pijama de seda verde-limão. “Ela está na estrada o tempo todo”, disse Claire Pakinson. “Essa é a peça que vai fazer com que ela se sinta bem quando estiver bebendo uma taça de vinho em seu quarto de hotel.” O pijama e um casaco azul cobalto ofereciam toques de cor na paleta chique parisiense de Grace de preto, marinho, cinza e castanho.

Natasha Behnam como a influenciadora Lola Rahaii é retratada em technicolor, representando uma nova era de criadores de conteúdo cobrindo notícias em seus próprios canais de mídia social. Resplandecente em tops curtos, conjuntos combinando e um chapéu de balde, Lola, que usa o telefone, está aprendendo no trabalho (ela aparece para o trabalho de reportagem na piscina, onde um pequeno grupo de imprensa segue a candidata, em um biquíni fluorescente). As irmãs Parkinson disseram que estavam particularmente cientes dos rótulos que Lola usa, sabendo que a personagem também gostaria de representar designers LGBTQ + com brindes ocasionais ou peças patrocinadas na mistura.

Christina Elmore calça os sapatos de salto alto de Kimberlyn Kendrick, que está subindo rapidamente na classificação do Liberty Direct News, estilo Fox. Sabendo que sua personagem estava presente como o contraponto conservador que cobria os candidatos democratas, Elmore procurou vestir-se para o papel durante o processo de audição. Antes de uma aula de química, ela foi ao Marshalls e comprou um vestido fúcsia justo acima do joelho, em tecido elástico e manga com babados. “Eu estava com cílios enormes”, disse Elmore. “Eu estava dando o Fox completo.”

Assim que conseguiu o papel, ela ficou emocionada ao saber que as irmãs Parkinson queriam um pouco mais de nuances no visual. Em vez de vestidos justos, Kimberlyn prefere terninhos poderosos em tons saturados. Suas silhuetas variam, passando de trespassado em um episódio a pernas mais largas em outro. “Isso sugere a sensação de peixe fora d’água que ela tem no ônibus e em sua própria saída”, disse Elmore quando conversamos. “Como uma mulher negra conservadora do sul, ela não tem certeza se se encaixa em algum desses mundos, e você pode ver isso em suas escolhas de moda.” Kimberlyn tinha a maior mala do ônibus, uma grande mala Away rosa chiclete. Isso significava que ela também poderia ter mais alguns casacos em seu rodízio.

Chozick serviu de ponto de contato para as mulheres e para os roteiristas do programa sobre a realidade da vida na trilha. Enquanto escrevia uma cena, a equipe queria que Sadie fosse ao bar do hotel de pijama; Chozick sugeriu que a personagem vestisse primeiro um blazer. Os escritores começaram a rir, perguntando se Chozick achava que isso a tornaria mais profissional. “Não sei!” Chozick disse. “Mas sempre que eu saía do meu quarto de hotel em um horário estranho, de pijama, eu colocava um blazer por cima.”

A dica de estilo de Chozick prevaleceu. “Coloquei um blazer por cima”, disse Benoist, “e foi aí que me deparei com o candidato dos meus sonhos no elevador”. Essa candidata é Felicity Walker, a principal candidata interpretada por Hettiene Park, que faz sua própria declaração de estilo. Esta é a segunda candidatura de Felicity à Casa Branca, depois de ter falhado – inesperada e espectacularmente – no ciclo anterior. Sua história é familiar, mas seu estilo é tudo menos isso, privilegiando tecidos com movimento, como malhas e vestidos com mangas fluidas.

“Eu não queria que ela se vestisse como Hillary”, disse Chozick, encerrando “a tirania do terninho”. Ela faz uma pausa e acrescenta: “Que, aliás, as mulheres só usam porque acham que imita os homens”.

Esse lado do jogo da política foi revelador para Benoist. Durante as filmagens, Benoist conversou com Chozick sobre o desejo comum de que as figuras políticas mostrassem mais do seu lado humano, em vez do lado político que muitas vezes pode parecer calculado ou fora de alcance. The Girls on the Bus, com seu estilo um pouco mais suave, espera Benoist, dá o exemplo: “Não precisamos aderir a essas regras estranhas sobre a aparência ou o vestido de uma mulher no poder”. Esse sentimento também tem meu voto.

Novos episódios de The Girls on the Bus lançam semanalmente às quintas-feiras no Max.

Fonte: InStyle

Tradução e adaptação: Melissa Benoist Brasil

continue lendo
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Hosted by Host4Fans @ 2020 - Melissa Benoist Brasil